Responsabilidade Social Corporativa Responsabilidade Social Corporativa

Qual é o papel dos líderes de RH na responsabilidade social corporativa?

7 minutos para ler

Cada vez mais a Responsabilidade Social Corporativa (RSC) torna-se central para as empresas, deixando de ser apenas uma tendência. Ela é determinante para gerar impactos positivos para as comunidades internas e impulsionar a motivação dos clientes.

Trazer esse conceito para as organizações pode ser um desafio enorme, pois envolve, muitas vezes, mudanças de cultura interna essenciais. Os líderes de RH têm um papel central nesse processo, ajudando no desenvolvimento econômico do negócio.

Confira a seguir mais sobre o papel desses profissionais e como isso pode impactar colaboradores, gestores e stakeholders no processo.

Integração da RSC na estratégia de RH

Integrar a RSC na estratégia de RH pode ser uma tarefa desafiadora, mas com o apoio das lideranças de RH, isso se torna mais tranquilo. Esses profissionais estão entre os mais preparados para conseguirem alinhar as atividades desse setor com os objetivos da RSC.

Um primeiro ponto é que esses profissionais conseguem identificar como as políticas atuais podem ser aproveitadas, adaptadas ou, então, completamente transformadas para refletir os valores de RSC.

Em muitos momentos, isso pode incluir rever, até mesmo, todos os processos centrais do RH, passando desde o processo de recrutamento e seleção à gestão dos talentos internos, promovendo uma cultura interna sólida e melhor clima organizacional.

Outro ponto é que esses especialistas conseguem planejar políticas de RH baseadas em um conjunto de princípios éticos do negócio, além de priorizar a transparência e responsabilidade nesse contexto.

Promoção da diversidade e inclusão

Outro ponto alinhado com as melhores práticas de Responsabilidade Social Corporativa é a promoção da diversidade e inclusão na empresa. Afinal, isso tem um profundo papel social, essencial para que pessoas que, geralmente, são discriminadas, possam ter um espaço nas organizações.

E isso vai além das contratações que priorizam pessoas de grupos minoritários: afinal, não é apenas para “bater números” que as lideranças de RH devem proporcionar esse tipo de ação.

É fundamental que esses profissionais deem prosseguimento investindo no crescimento da carreira dessas pessoas. Devem contribuir, também, para a ascensão de carreira de colaboradores desses grupos, dedicando cargos de liderança para eles.

Algumas formas pelas quais os líderes de RH podem trazer esse pilar fundamental para o ambiente interno e incorporar medidas de RSC são:

  • trazer políticas de recrutamento e seleção inclusivas: isso vai além de ter um processo seletivo específico, por exemplo, que priorize pessoas negras, mulheres ou pessoas com deficiência, mas sim que isso seja incorporado como uma política que estará sempre presente em todos os processos e perdurará, mesmo sem a presença daquela liderança de RH na empresa;
  • trazer treinamentos de sensibilização cultural: a questão de cuidados com ambiente inclusivo, infelizmente, é muito recente e, por isso, pode ser interessante fazer treinamentos que eduquem os profissionais sobre a importância da diversidade nesses ambientes;
  • ter programas de desenvolvimento de carreira para minorias: promova o crescimento de pessoas de categorias subrepresentadas para que elas possam, futuramente, ocuparem cargos de liderança na empresa;
  • criar grupos de monitoramento, avaliação e recebimento de denúncias: trazer pessoas preparadas para lidar com cenários de discriminação e preconceitos e que poderão acolher eventuais casos e saber como apurar e proceder diante dessa intercorrência.

Sustentabilidade e bem-estar dos colaboradores

Uma empresa precisa ser um ambiente acolhedor para os funcionários e as lideranças de RH são responsáveis por implementar as mudanças necessárias para este fim. Eles podem ajudar a proporcionar a construção de um ambiente saudável, produtivo e sustentável.

Essas ações podem auxiliar a reduzir, inclusive, problemas laborais, que geram afastamentos de trabalho. Por exemplo, um ambiente sustentável e confortável minimiza o absenteísmo e os afastamentos gerados por problemas como a Síndrome de Burnout.

Algumas medidas que fazem parte do rol de atividades que os líderes de RH podem propor e que contribuem para tornar o ambiente mais sustentável e com promoção do bem-estar dos profissionais são:

  • incentivar as práticas de atividades físicas com benefícios que favoreçam o bem-estar e ajudem a melhorar as atividades laborais;
  • ter espaços de apoio à saúde mental, tanto dentro da empresa (como ter serviço de aconselhamento interno), quanto treinamentos sobre mindfulness e, também, ter benefícios para atendimento com profissionais especializados;
  • proporcionar práticas de trabalho saudáveis, como horários flexíveis, políticas de trabalho remoto ou híbrido e proporcionar ambientes não só ergonômicos, mas acolhedores, também. Uma forma de manter a motivação com essas mudanças é manter uma gratificação salarial relacionadas com produtividade, para que a flexibilidade não seja desmotivadora;
  • adotar práticas de sustentabilidade que ajudem a minimizar os impactos ambientais proporcionados pela empresa, como adoção de programas de reciclagem, redução de desperdícios e uso de energia sustentável.

Engajamento com a comunidade externa e interna

Outro ponto essencial no qual as lideranças de RH interferem ativamente para adoção da RSC é desenvolver planos de ações para engajamento com a comunidade. Isso vale tanto para o ambiente externo quanto interno.

Na parte de engajamento com a comunidade externa, fortalecer a comunidade local auxilia a cumprir a função social de um negócio. Algumas medidas que podem ser adotadas nessa esfera são:

  • ações de voluntariado;
  • parcerias com Organizações Não-Governamentais (ONGs);
  • desenvolvimento de projetos que beneficiem a comunidade;
  • desenvolvimento profissional de pessoas em situação socioeconômica vulnerável.

Já no que diz respeito à comunidade interna, é possível pensar em treinamentos que ajudem a identificar eventuais transtornos pessoais que possam impactar os times como um todo. É o caso, por exemplo, da Síndrome de Procusto, um problema pessoal que pode fazer um profissional criar aversão a outro por sentimento de rejeição às competências da pessoa.

A pessoa, ao identificar isso, pode procurar auxílio, seja com a liderança de RH, seja com o psicólogo organizacional. Com isso, é possível melhorar o clima interno e proporcionar uma comunidade mais coesa, ajudando a deixar o ambiente com maior sinergia.

As lideranças de RH têm um papel estratégico central na responsabilidade social corporativa e são capazes de fazer verdadeiras transformações nas empresas, tanto atuando preventivamente em relação a problemas quanto encontrando meios para contorná-los.

Então, se você é uma liderança de RH, considere assumir sua responsabilidade para trazer os princípios de RSC em todas as suas áreas dentro do RH. Com isso, é possível liderar, por meio do exemplo, com a promoção de uma cultura sustentável mais ética e socialmente responsável.

Dentro desse contexto, você deve ter notado que a psicologia organizacional tem um papel central, não é mesmo? Por isso, é importante conhecer a importância dessa área para o desenvolvimento das ações de RH.

Saiba mais sobre esse tema neste e-book completo sobre o assunto! Baixe e mergulhe nesse tema.

Posts relacionados